Páginas

quarta-feira, 29 de junho de 2011

BOM DIA, BOA NOITE. ORQUÍDEAS NO MEU JARDIM

Orquídeas no meu jardim / Foto - Maurício Porto

A noite me avisa que será longa, o frio agasalhado confirma.
O silêncio sai para calar o cão da rua de cima. O livro na mesa ao lado me olha com um olhar pedinte. O teclado do computador me espera pacientemente. 
As palavras se recusam a sair. Devem estar com frio ou talvez entretidas e reunidas em frases, numa intensa e interna conversa que finjo não ouvir. Ofereço-lhes mais um gole de uma cachaça da boa. Se elas não vierem não tem importância, se não querem brindar, bebo sozinho. Visito um blog amigo e leio um artigo. Não tenho pressa e nem sono. O tempo me faz sinais que está com preguiça. O silêncio retorna, ouvido atento. Como tem cachorro em Santa Teresa! Sem esforço prossigo. Escrevo. As palavras enfim me deram bola, aceitaram um gole e saltaram rapidamente para os meus dedos. Não as repreendo, eu as conheço bem. Tagarelas, passam o dia inteiro conversando, e quando delas preciso parecem meus filhos mais novos quando lhes telefono: Rapidinho pai, meu celular está tocando. Quase desligam o telefone na minha cara. Às vezes me ligam de volta. Às vezes se esquecem.
Depois, se ligo e reclamo, ouço o eterno: Foi mau Pai. Uma carambola cai. Morcego! Entre os galhos das duas centenárias mangueiras e da não mais nova caramboleira, rainhas do meu jardim, os morcegos brincam de acrobacias. Saí pra varanda do meu escritório, o frio me deu pouco tempo me empurrou de volta pra dentro. Ao menos, no céu, pude ver o Cruzeiro já deitado, dormia. Alfa e beta Centauro ainda brilhavam acordadas. Pela posição em que estavam, pensei, é cedo ainda, deve ser quase meia-noite. Desisto de escrever, perdi a vontade. Desligo o computador, pego o livro carente, enfrento sem temer ou tremer o frio, que certamente ficou desapontado. Desço da varanda pela escada que me leva direto ao jardim. Vou ver as orquídeas, que há quatro dias depois de um ano, renasceram. Amanhã vou fotografá-las na minha única e anual cerimônia que religiosamente respeito. Entro em casa e na sala me sento para ler na pequena bergère que como colo de avó consegue o quase impossível, me fazer como uma criança dormir à noite. Minto, minha velha cadeira thonet também consegue mas, é diferente. Nela trabalho há quase quarenta anos e quando durmo, sem colo nem nada, é por puro cansaço. De repente ouço a voz suave de minha mulher: Vá pra cama dormir. Acordo, é dia claro. Me levanto com cuidado para não derrubar e assustar o livro que, feliz, dorme tranquilo. Vou no banheiro, esvazio a bexiga, escovo os dentes, lavo e vejo meu rosto, sorrio, e no espelho sorrio pra mim. Faço um café naquela mágica cafeteira italiana. De brincadeira, penso: Deve ter sido Da Vinci quem a inventou! Tomo o café, pego minha câmera e vou para o jardim. As orquídeas me esperam. Tiro umas vinte fotos.
Subo para o quarto, troco a roupa, deito e me enfio nas cobertas. Minha mulher ainda está se arrumando escolhendo colares, pulseiras e brincos e ainda pergunta pra mim: Está combinando? Eu, morrendo de sono, levanto a cabeça, olho e automáticamente respondo: Está ótimo! Confiante e decidida ela pega a sua bolsa. Levanto a cabeça outra vez e lhe desejo: Bom dia! Com seu sorriso encantado, ela olha pra mim e responde: Boa Noite!


Maurício Porto
Rio, 29 de junho de 2011

Do meu livro - Ladeiras do silêncio.


quarta-feira, 22 de junho de 2011

LABIRINTOS DO TEMPO

JAIRZINHO, ÍDOLO DO MEU BOTAFOGO.
ARTILHEIRO DA COPA DO MUNDO DE 1970

Vassoureiro! Vassoureiro!
Descendo a minha ladeira,
em frente à minha casa, 
passa o vendedor 
com seu grito antigo, secular,
que nas Laranjeiras 
da minha infância eu ouvia.
Mal sabe ele, 
que ao tentar vender vassouras,
me deu de presente 
os distantes dias do passado.
Coisas de Santa Teresa.
Esqueço o que eu pensava,
me perco nos labirintos do tempo.
Que se danem 
os Minotauros da realidade!
Subo a ladeira correndo,
chego na pracinha 
meus amigos de infância 
me esperam para a pelada.
Me prometo e mesmo juro,
vou marcar o gol da vitória
contra o time da outra ladeira 
e serei carregado em triunfo.
Treinarei todos os dias.
Assim vou me tornar
o craque da pracinha.
Quando eu crescer 
vou jogar no Botafogo 
antes que a vida vire verdadeira
e me retire dos labirintos do tempo,
ou que os Minotauros 
com sua cruel realidade me devorem,
acreditem, serei convocado
para a Seleção Brasileira.

Maurício Porto
Rio, 22 de junho de 2011

Do meu livro - Ladeiras do Silêncio.

Para o genial Jairzinho que tantas alegrias me deu
no meu querido Botafogo e na Seleção Brasileira.

Em memória de Luiz Eduardo Paes Leme, o Dudu, 
meu grande amigo, botafoguense e o maior craque 
das nossas peladas na Rua Tibagí, nas Laranjeiras.

segunda-feira, 20 de junho de 2011

CHICO, MUITO OBRIGADO ! FELIZ ANIVERSÁRIO !

CHICO BUARQUE / ILUSTRAÇÃO DIGITAL
MAURÍCIO PORTO / 2011
BASEADA EM FOTO DO GOOGLE IMAGENS

Minha vida mudou totalmente
quando na minha pequena vitrola,
aquele rapaz, Francisco, 
simplesmente me fez acreditar
que ela, a vida, era também pura poesia.
Por causa dele, o teto e as paredes
do meu quarto desapareciam.
Minha namorada e eu na cama,
de repente, olhando para todos os lados, 
com o espanto dos descobridores, 
víamos um novo mundo nascer.
Nos LP's e nas rádios, 
estava ele a nos fazer mais felizes,
mais poéticos e sensíveis, 
cantando o amor
e o amor à liberdade,
e tudo o que ele via e sentia,
Nos fez mais atentos, bico calado, 
apesar de orgulhosos da nossa língua 
portuguesa-brasileira 
por ele enriquecida
em libertos poemas,
numa luta sem trégua
contra analfabetos carimbos
de obscuros censores,
que, insanos, insistiam 
em vê-los desaparecidos.

Ele me ajudou a querer
o meu Brasil de volta,
que vultos sombrios,
informes nos seus uniformes,
nos seus porões insalubres,
trancaram e deformaram,
na longa noite escura,
sem estrelas nem lua,
de sonhos despedaçados,
de almas torturadas, 
de vidas perdidas
que, enfim, terminou
numa lenta e combinada 
frustante alvorada.


Sem ele nada saber, 
percorreu minha vida até hoje.
Em tudo do que nela vi e vivi
lá estava ele, poeta maior, 
compositor de primeira,
para mim, o melhor de todos, 
sempre seguindo de perto meus passos, 
meus acertos, meus fracassos.
No cotidiano,
Nas construções,
Nas ruas dos pivetes,
no Brasil dos brejos da cruz, 
na minha querida Mangueira, 
Derradeira estação,
no Subúrbio, coração.
Na alegria e na tristeza
dos meus casamentos.
No sensível olhar 
dos olhos nos olhos,
das minhas separações,
nos amores e nas paixões 
do que será que me dá. 


Francisco já nasceu eterno.
Um anjo sem asas,
um santo malandro,
um orixá guerreiro,
de um Brasil, mais brasileiro.

Chico, muito obrigado!
Feliz aniversário!
19 de junho de 2011.

Para Irene, minha enteada, que desde muito cedo
as músicas de Chico adorava!  

Maurício Porto
Rio, 19 de junho de 2011.
(Texto revisto e definitivo em 25 de junho de 2011)


Do meu livro - Ladeiras do Silêncio.


sexta-feira, 17 de junho de 2011

PARA NOEL / MAURÍCIO PORTO / 2010


Carrego no meu coração, um Rio de Janeiro que eu adoro. Um Rio dos bondes de Santa Teresa, meu lugar no mundo. Rio de sambas, esquinas, bares, cerveja e violões. Meu Rio das sossegadas ladeiras de Santa e do mistério das suas casas fechadas. Rio da Lapa, do Centro, das Laranjeiras da minha infância, do Cosme Velho, Glória, Catete, Flamengo, Botafogo e do Maráca -Templo Sagrado. 

Rio de tantos encantos, recantos, cantos em que a cidade encantada se desencanta, se despe, e nua nos leva pelas solidões das noites e nos encontramos todos numa perdida mesa ou balcão de mil botecos e nos pomos a cantar e contar em sambas a estranha e misteriosa alegria e tristeza de sermos cariocas e por causa de Noel, todos nós nascemos um pouco a cada dia, em Vila Isabel.

Maurício Porto 
Santa Teresa, Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2010. 
(Texto revisto em 17 de junho de 2011)

Em Memória de Noel Rosa, Gênio Monumental da Música Popular Brasileira. 

Do meu livro -  Ladeiras do Silêncio.  



quinta-feira, 16 de junho de 2011

PARA OS BOTAFOGUENSES


"Nem todos os loucos torcem para o Botafogo, 
Mas todos os botafoguenses são loucos. 
Se ainda não são, ficarão.
Palavra de botafoguense!"


Maurício Porto
Rio, 15 de junho de 2011

Do meu livro - Ladeiras do Silêncio.

MINHA CASA MINHA "VINDA"

ILUSTRAÇÂO DIGITAL / MAURÍCIO PORTO
Nesta casa morava o meu amor.
Nela, com ela hoje moro.
Fazer poesia, qual seria a graça?
A poesia já estava pronta.

Do meu livro - "Ladeiras do Silêncio".


Maurício Porto
Rio, 16 de junho de 2011

PARA OS ARQUITETOS

CASA EM ITAIPAVA / PROJETO E IMAGEM - MAURÍCIO PORTO
Arquitetos, arquitetos,
De tanto imaginar o projeto pronto,
basta abrir a porta e entrar.



Maurício Porto
Rio, 16 de junho de 2011
Do meu livro - Ladeiras do silêncio. 


Para Ivan Ferreira.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

LADEIRAS DO SILÊNCIO - 2

FOTO - NELSON PORTO

Os bondes primeiro balançam os fios, depois aparecem lotados como sempre. O tempo se espreguiça em cada janela. A tarde se despede com delicadeza. No céu duas ou três estrelas. A lua não tem pressa, não chegou a sua hora. Os bares conversam e bebem nas calçadas, no Guimarães, Curvelo, Largo das Neves, Áurea e nas bêbadas ladeiras. Nos restaurantes, na verdade bares com mesa, os clientes de sempre como estátuas de praça, lá estão nos seus eternos lugares. Outros clientes chegarão depois. No Cine Santa a sessão já começa. Os ambulantes montam suas barracas à espera dos jovens que, 
de tantos, trancam a rua Paschoal Carlos Magno como boiada na estrada. 
Afinal, Santa é roça, é vila, cidade não é. Passa boi, passa boiada, o tempo se cansa de tanto se espreguiçar, se lembra que tem que passar. Já está na hora de acabar com a farraAos poucos todos se vão. Passarão retardatários e 
latidos de cães não mais se ouvirão. O silêncio acorda e a noite então chega de vez. A lua de prosa com as nuvens, de tão prosa que é, nem sempre dá as caras. As ladeiras, mortas de sono, apenas esperam que o silêncio chegue e as embale para dormirem tranquilas. Às vezes, mesmo adormecidas, esboçam um leve sorriso de paralelepípedos. 

Maurício Porto
Rio, 15 de junho de 2011

Do meu livro - Ladeiras do Silêncio


LADEIRAS DO SILÊNCIO - 1

RUA ÁUREA, A MINHA RUA / FOTO MAURÍCIO PORTO
Lá em baixo, a cidade dorme a sua incerteza.
Morro acima, o luar banha e lava as ladeiras. 
Silêncio de se esquecer o mundo. 
É noite em Santa Teresa.

Maurício Porto
Rio, 15 de junho de 2011

Do meu livro - "Ladeiras do Silêncio".


terça-feira, 14 de junho de 2011

NO MUNDO DA LUA

Desenhos de Galileu Galilei
Minhas irmãs mais velhas diziam
que no Mundo da Lua eu vivia.
De tanto insistirem, acabei acreditando. 
Lá vivo há dezenas de anos. 
Às vezes, envio-lhes e-mails
mais lunáticos do que lunares, 
só para elas sorrirem 
e acreditarem que tinham toda a razão.

Maurício Porto
Rio, 12 de junho de 2011
Do meu livro - "Ladeiras do Silêncio".